Noticia-Mutual-Talks-2019

O mote definido para esta sessão inaugural foi mostrar como todos os oradores convidados contribuem para um mundo melhor e mais estimulante com o seu trabalho, os seus projetos e a sua caminhada nas mais diversas áreas.

A 1ª edição do evento “Mutual Talks”, uma organização conjunta d’ A Previdência Portuguesa – Associação Mutualista e da Coimbra Business School, teve lugar no passado dia 19 de dezembro em Coimbra.

Ao todo, pisaram o palco do Auditório Marques de Almeida, da Coimbra Business School, 5 oradores que partilharam projetos, histórias e experiências inspiradoras. O desafio lançado ao público era mostrar como estes realizadores, talentos e empreendedores mudam a narrativa do mundo, e também a narrativa do mutualismo. Na moderação e apresentação conjunta deste evento estiveram o jornalista Sansão Coelho e Magda Portulez, especialista em comunicação e assessoria.

A iniciativa inseriu-se no âmbito das comemorações dos 90 anos da Previdência Portuguesa, mostrando o dinamismo e a proximidade de 9 décadas de serviço desta Instituição junto da comunidade.

O público teve a oportunidade de ouvir a narrativas de 5 oradores, diferenciadores, nomeadamente: Sofia Lisboa (vocalista da anterior banda Silence 4); Caio Lekecinskas (Diretor criativo na empresa Lola Normajean); Joana Fânzeres da Mota (Presidente do CA do Grupo Sanfil Medicina); José Amado Mendes (Doutorado em História Moderna e Contemporânea) e a escritora Lurdes Breda.

A força no caminho dos sonhos foi uma característica de todos os convidados e das suas comunicações. Sofia Lisboa, uma embaixadora da força de vontade que move montanhas, um legado de sobrevivência no seu máximo expoente, relatou a sua experiência antes durante e depois do cancro.  Sobreviveu a ele de uma forma ímpar, derrotando a possibilidade prevista de apenas 1% de taxa de sucesso na sua cura. A memória sonora leva-nos também ao seu intenso trajeto na música. Como vocalista da banda Silence 4, pisou os mais importantes palcos, deu voz a muitas músicas, tocou o coração de muitos fãs. Hoje está de regresso aos palcos com La Bohéme.

Portfólio de trabalho feito também de muito esforço e dedicação, e com o compromisso com o mundo, é o do criador, ilustrador e artista visual Caio Lekecinskas. Trabalha há mais de uma década como redator criativo de grandes agências de publicidade, nomeadamente em São Paulo e Lisboa. Passou por empresas como a Leo Burnett Lisbon e São Paulo, Wieden Kennedy, JW Thompson… Durante esse período, em 2014, foi ainda selecionado para participar no concurso Young Lions, representando o Brasil no Festival de Cannes. Presentemente é o diretor criativo da grande empresa Lola-Normajean, cuja missão é fazer com que as Marcas contaminem a Cultura do Consumidor.

A convidada Joana Fânzeres da Mota interveio na área do empreendedorismo, mostrando o trabalho desenvolvido institucionalmente no Grupo Sanfil Medicina, o papel de dianteiro na frente de um projeto que continua a crescer todos os dias.

Licenciada em Direito, Pós-graduada em Direito da Medicina, pela Universidade de Coimbra e Gestão de Unidades de Saúde, pela Universidade Católica Portuguesa; é também graduada em Gestão para Executivos sobre Negociação, pela Harvard Business School (“Changing The Game”).

O evento levou-nos, ainda, pelas crónicas e memórias da história, nomeadamente pela narrativa dos 90 anos de vida da Previdência Portuguesa, através do Professor José Amado Mendes. O orador concluiu o “Master’s Degree in Sciences of Education” na Universidade do Texas, em Austin (EUA). Doutorou-se em História Moderna e Contemporânea pela Universidade de Coimbra e tem várias obras publicadas, no âmbito da História Económica e Social, História Empresarial, Historiografia, Museologia e Património Cultural. Foi um gosto saborear a palavra do Professor José Amado Mendes, que nos levou pelas memórias do mutualismo em Portugal.

A última convidada da noite é autora de vinte e seis obras e coautora de outras onze, editadas em Portugal, no Brasil e em Moçambique. É conhecida, sobretudo, como escritora de livros para crianças e jovens. O seu livro “O Alfabeto Trapalhão” é um dos livros aconselhados pela “Casa da Leitura” da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi um dos livros selecionados pela Direção Geral do Livro e das Bibliotecas para estar no Pavilhão de Portugal. Foi premiada em vários certames literários nacionais e internacionais. Em 2005 foi distinguida com o Prémio “Mulheres de Valor”.

Um exemplo de superação, um grande testemunho de vida, que nos mostra que os obstáculos existem para serem superados com coragem e determinação. O seu trabalho é reconhecido, também, em prol da integração da pessoa com deficiência na sociedade. A escritora Lurdes Breda encerrou de forma inspiradora a 1ª edição das “Mutual Talks”.